Sermão da Montanha - O Fundamento do Cristianismo Verdadeiro: "a porta de entrada é por aqui"

Quantas vezes ouvimos falar "o cristão tem que ler a Bíblia"? E quantas vezes começamos a ler a Bíblia e nos dá aquele desinteresse? Pode ficar calmo. O demônio não se apoderou da sua mente e nem está lançando na sua mente as setas do sono e do desinteresse pela Palavra. Simplesmente talvez você esteja começando pelo lugar errado. Lugares pelos quais as pessoas começam a ler a Bíblia e que geram um certo cansaço. Na verdade, não há "lugares", mas apenas um lugar: O Gênesis. Sim, você começa a ler o Gênesis, e logo começa a passar para os demais livros. Êxodo, Levítico, Números, Deuteronômio, Josué, Juízes e por aí vai, e logo toda aquela conversa estranha de homens feito de barros, velhos prendendo animais em embarcações, guerras por posse de terra, traições, prostituições, assassinatos de país por filhos, reis e súditos, tudo muito difícil de entender, e mais difícil ainda de se aplicar à sua fé (isso sem falar naquele estilo de escrita verdadeiramente ridículo (do ponto de vista literário) de ficar falando "fulano, filho de sicrano, filho de beltrano, filho do fulaninho, filho do beltranão, etc."). Você só queria saber onde é que tá aquele "alívio para a alma" que ofereceram pra você e que disseram estar na Bíblia, mas que você não conseguiu encontrar até agora, primeiro porque o negócio aí no Livro tá difícil de entender e depois porque naquela igreja enorme com um telão na frente não tem ninguém que possa te dar o auxílio: todos estão preocupados com a vida do apóstolo ou com certos dizimistas jogadores de futebol... Aí eu pergunto pra você: "e agora, José?" Parece que venderam pra você um belo gatão no lugar daquela lebre, e o cristianismo, que falaram que era simples, ficou mais complicado que jogar truco (pelo menos pra mim: não entendi esse jogo até hoje). O jeito é abandonar tudo, mesmo, e ficar ouvindo a papagaiada do pastor, que mais fala de dinheiro do que outra coisa, não é? NÃO, MEU IRMÃO! Estou querendo dizer que há uma luz no fim do túnel (e não é o trem que vem vindo do outro lado). O Sermão da Montanha: simplesmente Jesus Cristo. Sem mais delongas, vou direto ao ponto. Não se preocupe se Adão nasceu com umbigo, se veio dos macacos ou se ele surgiu num peido cósmico. Deixe pra lá toda aquela história complicada de Israel, de tomar posse de terras, de matar inimigos, afinal, você já tem sua casa, e o Brasil não entra em guerra já faz um tempinho. Deixe tudo isso de lado e vá para o Sermão da Montanha. Já ouviu falar dele? Provavelmente não, porque lá não se fala de dízimo e nem de ofertas, e nem de tomar posse, e nem de eleger presidente evangélico. O Sermão da Montanha é um discurso, ou uma coleção de discursos, de Jesus, feito em um monte do Oriente Médio (ou pode ter sido em diversos montes, ou em nenhum monte — isso não vem muito ao caso agora: o importante são as palavras de Jesus). Nele, estão alguns direcionamentos de Jesus a respeito da fé, pontos que servem como alicerce para a nossa fé. Ele vai do capítulo 5 ao capítulo 7 do livro Evangelho de S. Mateus, tratando de assuntos como quem é o alvo da pregação de Jesus, qual o papel dos discípulos na Terra, as leis dos judeus, exemplos de oração, de como dar esmolas e de como jejuar, a importância do Reino de Deus sobre o mundo terreno, caráter do homem, prioridades deste mundo, sobre falsos profetas e sobre a necessidade de se confiar em Deus em vez de confiar em soluções passageiras. É mais ou menos dividido da seguinte maneira:
  1. Quem são os "abençoados", aqueles que são o alvo de Cristo: 5.1 - 5.12;
  2. Sobre a responsabilidade dos discípulos: 5.13 - 5.16;
  3. O Compromisso de Jesus com a Lei dos judeus: 5.17 - 5.48;
  4. A caridade para com os necessitados e socialmente rejeitados: 6.1 - 6.4;
  5. Modelos de oração e jejum: 6.5 - 6.21;
  6. Sobre o caráter dos cristãos: 6.22 - 6.24;
  7. Algumas considerações sobre ansiedades e comportamentos de cristão (ansiedade, juízo temerário, tempo gasto naquilo que não é proveitoso): 6.25 - 7.6;
  8. A dependência de Deus e da oração: 7.7 - 7.12;
  9. Escolhas entre a vida e a morte, o cuidado com os "falsos-profetas": 7.13 - 7.27;
  10. Fim do sermão.
O interessante, no meu ponto de vista, é tentar conhecer principalmente o desejo de Jesus no que diz respeito aos seus discípulos. Longe de querer fazer disso uma "cartilha", mas apenas uma sugestão de leitura, separarei a seguir a lista levando em conta uma certa prioridade com relação ao que o cristão, no meu ponto de vista, deveria observar primeiramente. Levei em conta, para essa separação por prioridades, a observação cotidiana sobre mim e sobre o ser humano em geral. A sequência seria a seguinte: 1, 7, 8, 5, 2, 4, 6, 9, 3 e 10. Creio que a partir dessa sugestão de leitura, o cristão se preocupará com as "primeiras coisas primeiro", conhecendo quem é ele, qual sua posição e suas responsabilidades dentro do Reino, e qual é o seu futuro de forma mais rápida, proveitosa e consistente, conhecendo também a intenção do Mestre, sem ter que perder tempo com questões que considero secundárias para qualquer cristão.
3 comments

Popular posts from this blog

SEXXX CHURCH: UMA CRÍTICA

A inércia dos bons e a perversidade dos maus