21 abril 2017

O DIA EM QUE MEU TECLADO PAROU DE FUNCIONAR


Deixa eu ver se meu teclado voltou a funcionar novamente, mesmo. Aparentemente, sim.

Estou usando todas as teclas. Vou até escrever coisas sem sentido, como “o Mestre Yoda passou por aqui”, ou encher de símbolos sem sentidos, como asteriscos (*), “es” comerciais (&), sinais matemáticos como “-“ ou “+”, e até um “=”, só pra ver se o teclado está funcionando com todas as suas teclas. Eu só não consigo usar as teclas de função (“F”, porque não tem porque usá-las. Sinceramente, tô pra achar gente que use essas teclas efetivamente, a não ser que estejam usando um laptop, e ele tenha atalhos de funções como “volume” naquelas teclas “Fn” + um “F” (como no meu teclado, em que as teclas “F11”, “F12” e uma tecla com um símbolo de um alto-falante com um “x” em cima, quando combinadas com a tecla “Fn”, funcionam, respectivamente para abaixar e aumentar o volume, e deixar o som mudo – aliás, acabei de usar as três funções agora, e todas elas funcionaram).

Bem, aparentemente meu teclado voltou a funcionar. Isso é incrível! Eu achei que jamais conseguiria usá-lo novamente, e estava sofrendo tendo que usar um teclado comum. Tem coisas que, quando uma outra pessoa faz, achamos que é frescura, contudo só quando acontece com você é que você percebe o quando isso faz diferença. Sempre ouvi um ou outro falando que não conseguiria usar outro teclado. Achei isso uma frescura. Uma frescura até ontem, quando tive que usar um teclado HORRÍVEL!

Mas, bem, enfim, já perdi muito tempo nessa conversa. Deixa eu voltar pro trabalho, porque as palavras não se traduzem sozinhas (os tradutores automáticos até ajudam, mas eles são como estagiários e aprendizes: você tem que revisar tudo o que eles fazem, tem que acompanhar de perto, caso contrário, sua reputação e seu ganha-pão vão pelo ralo – mas isso é conversa para uma outra hora).


(Este texto foi escrito logo após eu descobrir que meu teclado voltou ao normal.)

18 março 2017

"PAU QUE NASCE TORTO" ou "QUEM NUNCA FOI DE TRABALHAR NÃO VAI COMEÇAR DO DIA PRA NOITE"

Êta, João TRABAIADÔ!



Na época, o "pobre" tinha só 34 aninhos. Imagina hoje, com todo o know-how, como é que não deve de tá...

Eu achei a matéria a seguir num FB que direcionava pro site "Amigos do Lula".

Como o nome do Lula tá mais sujo que pau de galinheiro, e só os amigos dele acreditam nele, mesmo, resolvi dar uma pesquisada por conta própria. E eu achei algo...

16 janeiro 2017

Dória usa "arma" que Haddad engatilhou contra artesãos da Paulista

A REMOÇÃO DE ARTESÃOS DA PAULISTA SEGUE AS ESPECIFICAÇÕES DE UM DOCUMENTO ASSINADO POR FERNANDO HADDAD, MAS QUE NÃO HAVIA SIDO COLOCADO EM PRÁTICA.



Haddad deixou um documento que só permite 50 artesãos fiquem na Avenida Paulista, em locais predeterminados e sem locação - ou seja, quem chegar primeiro pega.
Se ele criou esse dispositivo, por que na administração dele havia 4 ou 5 vezes mais artesãos na Paulista? Teria sido incompetência na fiscalização e administração do espaço? Ou será que foi um medo de remover os caras e perder a fama de "Tranquilão"?
Aí, fica pra você tirar a dúvida.
A única verdade nisso tudo é que ele criou dispositivos pra que Dória chutasse todo mundo pra fora da Paulista no seu projeto "Cidade Higienizada" (quero dizer Cidade "LINDA"... há, você entendeu...). Agora, com a sua "Tolerância Zero" às irregularidades, Dória tem um dispositivo criado por Haddad para tocar o terror.

14 abril 2016

Nada é tão novo, nada é tão velho...


Às vezes me pego pensando em meus parentes mais velhos, e percebo como que, para eles, é difícil admitir não saber algo, que o conhecimento deles, muitas vezes baseado no "boca-a-boca", não passa disso: informação passada de um para o outro, sem o menor valor prático ou o menor apoio na realidade. São remédios, medos, práticas e outros totalmente alheios aos fatos, mas que eles muitas vezes nos contam como se fosse a verdade.

07 abril 2016

Minha opinião sobre o vídeo "Delação" do canal Porta dos Fundos

Entre haters e lovers, tento dar minha opinião. Longe de ser imparcial, mas procurando uma moderação.
O maior golpe que o brasileiro pode sofrer é acreditar cegamente em seus líderes e ídolos, até o dia em que quebram a cara - e a gente SEMPRE quebra.